segunda-feira, 13 de novembro de 2017

2017 (147)

Tribunal da Relação do Porto
Acórdão de 12 de outubro de 2017
Proc. n.º 29382/15
 
(...)
II. A ré, médica anestesista, que se desloca à sala de ressonância magnética para praticar um ato médico levando colocadas no tornozelo umas caneleiras de fitness compostas por areia e neoprene, vindo a ser atraída pelo equipamento de ressonância e ficado em risco de ser "sugada" pelo equipamento, obrigando ao seu encerramento de emergência e causando danos ao titular do equipamento, não atua com negligência se, conhecendo embora o equipamento, ignorava que os materiais das caneleiras tinham propriedades magnéticas e esta informação não lhe foi dada pelos responsáveis da sala ou pela sinalética ali existente, nem era passível de ser extraída apenas do conhecimento do material de que as caneleiras eram compostas.
(...)